domingo, junho 04, 2017

Destino

(Aja, Scotia, NY, USA.)

Joana crescera bravia, sempre de sapatos na mão e joelhos esfolados pelas muitas incursões aos quintais dos vizinhos, equilibrada em reentrâncias de muros ou ramos de árvores, mãos estendidas. Divertia-se a caçar lagartixas. Puxava-as pelo rabo e depois, largava-as, correndo atrás delas à gargalhada. Também lhe não escapavam os figos suculentos do Sr. José D'Além ou as uvas americanas da D.ª Rosinha. Quase apanhara com um chumbeiro de espingarda de pressão, num dia em que a confundiram com um pilha-galinhas. "Ai, Jasus, menina, que tu és mas é douda!"
Quisessem encontrá-la, era no campo ou, então, de cabeça metida num livro, fosse qual fosse, a sonhar.

António crescera à solta, habituado a roupas leves, fáceis de despir para entrar na água do mar. Não havia vento que mais do que o afagasse, nem maré que deixasse de o acolher. Brincara aos piratas e construíra fortes onde travara batalhas mil. Sonhara com sereias e raparigas de olhos estrelados com os pés nus na areia da praia. Quase morrera afogado, num dia em que mergulhara mais fundo e mais afoito. "Ai, Jasus, menino, que tu és mas é doudo!"
Quisessem encontrá-lo era na  praia, ou, então, de cabeça metida num livro, fosse qual fosse, a sonhar.

Cruzar-se-iam, mais tarde, nem numa praia, nem no campo, nem sequer numa livraria, e diriam, baixinho, um ao outro: "Ai, Jasus, que nós somos mas é doudos!"
Construíram uma biblioteca.


39 comentários:

  1. I love the painting.
    I love the music.
    xoxo

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Doudo com doudo dá doudice boa!

      Beijinhos, Pedro :)

      Eliminar
  3. Num improvável destino mergulharam de vez, desta vez em simultâneo, presumo, na celulose da floresta mais incrível, sem medo, como doudos. Aluacinados?
    Bj, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente aluacinados! :D

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  4. A excelência da narrativa, constrói uma história magnífica e cheia de significado.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Graça!

      Beijinhos e bons escritos :)

      Eliminar
  5. que bela junção!
    boa semana, Maria, beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tropeçaram um no outro de cabeça no ar, decerto!

      Beijo, Laura :)

      Eliminar
  6. coisas de doudos. ninguém os compreende, talvez só o destino.
    boa semana,
    Mia

    ResponderEliminar
  7. De doudos assim é que a sanidade precisa (muito)!! ;)

    ResponderEliminar
  8. Maria, no dia em que escreveres um livro, quero um com o teu autógrafo !
    Muito bonito. Obrigado !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh! Exageras...
      Obrigada, Ricardo!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  9. Os meninos doudos que eu conheci eram assim e acho que eram felizes. Os miúdos não! Esses levavam tareias sempre que rasgavam a roupa ou se aleijavam nas brincadeiras. Designavam-nos por canalha e corriam-nos aos gritos ou à pedrada. Liam livros de figuras com cóbois, e também de guerras, e de heróis fantásticos como o super-homem, mas só quando em conjunto conseguiam juntar dinheiro para os alugarem no jornaleiro. Foram todos trabalhar muito cedo e agora acho que não ligam a livros nem mesmo os dos quadrinhos. Os que são vivos quardam saudade desse tempo de quando eram miúdos, sem saberem explicar porquê. Alguns têm filhos doutores. Em nome deles mando beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conheço de ambos. Brinquei com muitos. Fizeste-me recordá-los. Obrigada!

      Beijinhos, Luís :)

      Eliminar
  10. doudos!
    somos nós toudos
    os doudos

    pena que o mundo
    pereça
    sem que endoudeça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria melhor, um mundo doudo!

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  11. Pois é Maria, perdoa-se tudo aos amantes... e aos doudos também:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso, coincidem. ;)

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  12. Vim ler oitra vez.
    Maria, esta é do good, carago!
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carago, que coisas bouas me dizes!

      Beijinhos, Agostinho, e muito obrigada. :)

      Eliminar
  13. Já cá estou de volta. Obrigado pelo "miminho" na Fonte !
    Muito bem escrito e bem narrado, Maria ! :)
    Gostei imenso !

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mimos para quem merece, ora!
      Obrigada, Rui!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  14. Que giro, gostei muito desta história!
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  15. Bom dia, o texto é perfeito, ler e reler vale a pena, confesso que sempre fui doudo, sempre vivi e vivo perto do mar, todos os dias olho para ele, quase todos os dias sinto a necessidade doudo por entrar nele, ser doudo, sempre fez parte da minha felicidade.
    No meu Algarve fala assim, " moss, tou tode escalmerrado, vô desalverade (doudo) pró mare).
    Feliz domingo,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como é bom ter-se alma de doudo!

      Beijinhos, AG, e obrigada. :)

      Eliminar
  16. Adoro as tuas estórias! Um pouco de loucura nunca fez mal a ninguém :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida I!!!
      Loucura faz bem, eu acho!

      Beijos :)

      Eliminar
  17. Ei Maria, bom dia.
    Estou chegando hoje no
    seu blog e como amo a arte
    e amo palavras
    entendo que vou passar
    um bom tempo por aqui
    me encantando.
    Já seguindo aqui
    A aguardo lá no Espelhando, viu?
    Lindo sábado.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar