sábado, agosto 12, 2017

13 para o almoço

(Henri Matisse)

Da cozinha, evolava-se um aroma a carne assada com alecrim, à mistura com o da torta de cenoura acabada de desenformar. A voz alegre de Vó Nita cantarolava:

"Menina estás à janela
com o teu cabelo à lua
não me vou daqui embora
sem levar uma prenda tua

Sem levar uma prenda tua
sem levar uma prenda dela
com o teu cabelo à lua
menina estás à janela

(...)"

Faltava pouco para a hora de almoço e, na mesa da cozinha grande, já luzia a toalha de bordado azul e vermelho à Vianesa, com os pratos do serviço de festa, os talheres de alpaca e os copos a brilharem de tão limpos. Seriam 13. Alguns diriam que 13 não seria número de comensais a sentar a uma mesa, mas Vó Nita nunca se deixara levar por superstições. Nascera-lhe mais uma bisneta em Abril. Logo em Abril, o seu mês! Havia de ser levada, essa menina, pela certa. Touro! Apaixonada, com sangue quente, teimosa e lutadora. Como ela! Sorriu, enquanto ajeitava a cadeirinha no topo da mesa. Qual azar, qual quê, se o número 13 era a sua Mariana.



9 comentários:

  1. Ah Matisse. I love his eye, his bold colors.
    And thanks for introducing me to Rio Grande.
    Beautiful harmonies.
    Have a great weekend. Enjoy.
    xoxo

    ResponderEliminar
  2. Há quem leve muito a sério esta coisa de 13 à mesa... Eu estou com a Vó Nita, não ligo nada a essa superstição. :)
    Este post cheira mesmo bem... :))

    ResponderEliminar
  3. Embora eu também esteja com a Vó Nita (pois também não ligo nada a isso), à priori evitar as superstições é uma outra superstição...

    Boa semana Maria:))

    ResponderEliminar
  4. 13 é um número de sorte aqui em Macau.
    Já o 14 é que é de fugir (sap sei, um som muito semelhante a morte certa).
    Boa semana

    ResponderEliminar
  5. Passando para te fazer uma visita e uma boa leitura. AbraçO

    ResponderEliminar
  6. Que sorte, Maria, uma menina 13 com a proteção dos astros. A vovó bem se pode orgulhar.
    E tu, idem, com estas prosas que tanto aprecio.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  7. Não tenho coragem de dizer que não tenha uma ponta de superstição.
    A bela mensagem (carregada de gente feliz, sabores e aromas), ajuda à libertação do espírito de eventual preconceito que possa estar na base das superstições.
    Grande avó!... Há muito que perdi a minha, as minhas!

    ResponderEliminar
  8. Às vezes sou supersticioso, mas não é como número 13. Gostei Maria !

    ResponderEliminar
  9. A avó Nita é uma sábia...
    Gostei muito do texto e de ouvir a Menina estás à Janela por Rio Grande.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar